5 Perguntas para Luiz Felipe, intérprete do Vai-Vai

Luiz Felipe nasceu em um dia de eliminatória de samba, no dia 21 de agosto de 1994. Sua família materna possui uma forte ligação com a escola de samba Vai-Vai, e seu avô foi um dos fundadores e presidentes da Velha Guarda da agremiação. Mas, por passar por um problema no coração, Luiz Felipe teve que evitar emoções fortes, o que o manteve afastado do mundo do samba por algum tempo. Aos onze anos, ele foi liberado e começou como ritmista da bateria mirim, alimentando o sonho de se tornar um dos puxadores da escola. Após passar por diversas posições na agremiação, em 2019, Luiz Felipe foi escolhido como intérprete oficial da Vai-Vai, ao lado de Washington Castro, conduzindo a comunidade do Bixiga ao título do acesso e o retorno ao grupo especial. Luiz Felipe também teve passagens por outras escolas de samba, sendo intérprete da Lavapés e da TUP – Torcida Unida Palmeirense. 

Quando e onde começou seu amor pelo carnaval?

O amor pelo Carnaval vem da minha Família, meu avô passou esse amor pra todos nós, que hoje continuamos os ensinamentos com muito amor e respeito ao samba e ao Vai-Vai.

Há quanto tempo está na agremiação e o que significa pra você?

Estou no Vai-Vai desde 0 meses, mas por conta de um problema de saúde só pude começar a desfilar em 2006, de lá pra cá não parei, e não pretendo parar, e sobre significado, não consigo descrever isso em palavras, é algo surreal, muito maior do que posso imaginar, é um significado muito grande e especial.

Agremiação e comunidade: como você define essa relação?

Vejo isso como a parte fundamental para toda escola de samba, sem a sua comunidade a escola de samba não vai, não anda, precisar ser um ligado ao outro, tenho esse exemplo no Vai-Vai, é uma comunidade que carrega a sua agremiação, é muito importante sempre a escola estar de mãos dadas com a sua comunidade.

Quais são as maiores dificuldades que vocês enfrentam durante a organização do Carnaval?

A maior delas é a financeira, carnaval é muito caro, e a cada ano de torna mais, e depois da pandemia os preços alavancaram, mas todas escolas passam por isso, e conseguimos sempre dar a volta por cima e fazermos um carnaval grandioso, do tamanho de nossos respectivos pavilhões.

Qual é a importância cultural do Carnaval para a cidade e para a sociedade em geral?

Não se é vista com frequência por algumas autoridades tentarem acobertar, mas a importância do carnaval para a cidade e para a sociedade é gigantesca, historicamente um anda junto com o outro, a história e as pessoas não nos deixam mentir, o samba, o carnaval anda lado a lado com a história da cidade De São Paulo.

Fernanda Oening

Jornalista e produtora. Editora do SambaNews. Paulistana, nascida e criada na Barra Funda, bairro onde conheceu um amor pra vida inteira: Camisa Verde e Branco. Foi passista e destaque da escola por anos. Não dispensa uma boa roda de samba!

Compartilhe com os amigos:

Acompanhe nossas redes

Mais Populares

Scroll to Top