Chega a São Paulo o musical “Leci Brandão – Na Palma da Mão”

O espetáculo dedicado à trajetória da cantora e compositora terá uma curta temporada gratuita no Itaú Cultural

Foto: Bia Mandarino

De 3 a 6 de agosto (quinta-feira a domingo), o Itaú Cultural apresenta a temporada de estreia em São Paulo do musical Leci Brandão – Na Palma da Mão, espetáculo que reverencia a vida e a obra da cantora e compositora que lhe dá nome. A história desta mulher à frente de seu tempo e uma das grandes referências da música brasileira, pioneira em momentos diversos de um caminho de quase meio século de carreira, é contada a partir da sua relação com Dona Lecy, sua mãe, que morreu em 2019, aos 96 anos. A direção é de Luiz Antonio Pilar e o texto é assinado pelo jornalista e escritor Leonardo Bruno. As atrizes e cantoras Tay O’Hanna e Verônica Bonfim interpretam, respectivamente, a filha e a mãe.

Toda a programação do Itaú Cultural é gratuita. Os ingressos são disponibilizados semanalmente a partir da quarta-feira anterior à apresentação, e devem ser reservados pela plataforma INTI (acesso pelo site www.itaucultural.org.br).

Sem linha cronológica, a peça é guiada pelo olhar de Dona Lecy, maior referência da vida de Leci. Segundo o diretor, são reminiscências da artista, interpretadas em cena ora por mãe, ora pela filha, e com olhares ainda maiores voltados à ancestralidade. “A ideia foi construir um espetáculo cujo arcabouço mostrasse toda a tradição familiar e religiosa, o respeito e a educação de uma família preta, que a Leci traz”, resume o diretor.

Tay e Verônica são acompanhadas no palco pelo ator Sérgio Kauffmann. Ele representa diversos personagens masculinos presentes na vida da cantora. Um deles, por exemplo, é o líder comunitário Zé do Caroço, inspiração de uma de suas músicas mais famosas. Outros são Cartola, Antonio Francisco da Silva, pai de Leci, e Flávio Cavalcanti. As canções são interpretadas ao vivo, ao lado dos músicos Matheus Camará (violão, clarinete e agogô), Rodrigo Pirikito (violão, cavaquinho e xequerê) e Thainara Castro e Pedro Ivo (percussão), sob direção musical de Arifan Junior.

Grande parte dos 17 números do espetáculo é composta por canções da própria Leci, como A filha da Dona Lecy, Ombro amigo, Gente negra e Preferência. A trilha sonora também incorpora momentos do início da carreira da compositora desconhecidos do grande público. Tema do amor de você, de 1964, por exemplo, foi a sua primeira composição. Escrita após uma desilusão amorosa permanecia inédita. Por sua vez, a cantora apresentou Não falo de guerra, nem falo de morte, escrita em 1968, no programa de Flávio Cavalcanti, sua primeira aparição pública. A letra desta música permaneceu, mas a melodia se perdeu. Na montagem do musical, a canção ganhou novo ritmo pelas mãos de Verônica.

A outra parte é formada por músicas significativas na trajetória da artista, como Corra e olhe o céu, de Cartola, e o samba-enredo da Mangueira História pra ninar gente grande, campeão de 2019.

Uma árvore de 2,50m rodeada por pedras é o destaque do cenário do espetáculo, que representa um grande quintal, um terreiro em tons terrosos e verde, com o chão todo coberto de folhas secas de mangueira. Dessas folhas, surgem peças do figurino criados por Rute Alves, como elementos cênicos e usados pelos atores, que não saem de cena durante o espetáculo.

A simbologia do candomblé, também muito presente na vida da artista, é um dos fios condutores da dramaturgia. Filha de Ogum e Iansã na religião africana, Leci passou cinco anos sem gravar desde que se afastou da Polygram, por não aceitar reescrever suas letras. Em uma consulta às entidades no terreiro, ouviu que tudo ficaria bem. Assim, assinou com uma gravadora nacional, gravou um disco com seu nome e estourou. Em agradecimento, todos os seus discos, a partir de então, tem uma saudação a um Orixá.

“O espetáculo está estruturado dessa forma. A primeira saudação é para Exu, para abrir os caminhos. A todo momento esses Orixás vêm e assim vamos alicerçando a cena”, explica o diretor do espetáculo, que estreou em janeiro, no SESC Copacabana, seguindo em outras temporadas no Rio de Janeiro.

SERVIÇO

Musical Leci Brandão – Na Palma da Mão

De 3 a 6 de agosto (quinta-feira a domingo)

Quinta-feira a sábado, às 20h. Domingo e feriados, às 19h.

Duração: 85 minutos

Na Sala Itaú Cultural (Piso Térreo)

Capacidade: 224 lugares

Classificação Indicativa:  12 anos

Fernanda Oening

Jornalista e produtora. Editora do SambaNews. Paulistana, nascida e criada na Barra Funda, bairro onde conheceu um amor pra vida inteira: Camisa Verde e Branco. Foi passista e destaque da escola por anos. Não dispensa uma boa roda de samba!

Compartilhe com os amigos:

Acompanhe nossas redes

Mais Populares

Scroll to Top