Filmes – Os 7 Mais, por Mônica Nilsson

Mônica Nilsson, uma apaixonada por cinema, lista os filmes que mais marcaram sua vida. Pegue seu balde de pipoca e bom divertimento!

“Sou uma pessoa apaixonada por arte e cultura em todas as suas vivências. Divido meus dias em programações culturais, após cumprida a jornada de trabalho. Só amor e paixão mesmo. Aceitei ao convite do SN e listo os sete filmes que marcaram diferentes épocas da minha vida. Alguns já viraram clássicos e alguns são mais recentes… ”

Mônica Nilsson
Os 7 Mais

1. O Garoto, de Charles Chaplin, 1921 (YouTube) – este foi o primeiro filme que me lembro de assistir no cinema. Eu tinha 5 anos e assisti no colo da minha mãe, que sussurrava as legendas bem baixinho. Narra a história de um garoto, abandonado pela mãe e “adotado” pelo nosso eterno e adorável “Vagabundo”. Dentre milhões de peripécias, eles sobrevivem de pequenos e inocentes golpes. Filme inesquecível. Quase no final, minha mãe teve que sair correndo comigo da sala porque eu chorava demais e gritava “não é justo”… As injustiças sempre me incomodaram, desde criança…

2. Cinema Paradiso, de Giuseppe Tornatore, 1988 (YouTube) – filme marcante da minha adolescência. Dele veio a verdadeira paixão pelo cinema. O filme narra a história de um garoto, apaixonado por cinema, que mora numa pequena cidade do interior da Itália. Ele constrói uma forte amizade com o projecionista do único cinema da cidade. Dessa amizade e desse amor, nasce sua vocação para diretor de cinema. Sempre me perguntei se era uma história autobiográfica do Diretor Giuseppe Tornatore. Com atuação impecável de Philippe Noiret, que também atuou em O Carteiro e o Poeta, onde interpreta Pablo Neruda). 

3. Frida, de Julie Taymor, 2002 (Netflix) – Frida marca a vida de todas nós mulheres. Assisti a esse filme em Buenos Aires, na casa da minha amiga da adolescência. Após a sessão, foram muitos os debates! O filme conta a história de Frida Kahlo: uma artista plástica mexicana, maravilhosa, que tem uma história pessoal muito sofrida, com batalhas internas e externas. Salma Hayek em uma atuação impecável! Uma revolucionária, eu diria! Assistam e desfilem sua imagem, em bolsas e camisetas, com mais convicção! 

4. Fevereiros, de Marcio Debellian, 2017 (GloboFilmes) – assisti em sua estreia no Festival In-Edit 2018, no Cinesesc, uma das minhas salas de cinema preferidas. Fomos em um grupo grande: parte amigos do carnaval, parte amigos do cinema. Mas, todos apaixonados por Maria! Foi uma mistura incrível! O filme fala sobre Mangueira e sobre a Menina dos Olhos de Oyá, nossa amada Maria Bethânia. Contando sua relação com a religião, a família e o Carnaval. Saímos encantados, sonhando com uma viagem a Santo Amaro da Purificação. “Tudo que eu fizer, viajar, o que eu comprar, o que eu gostar, o que eu achar que é bonito, eu separo pra Fevereiro”, diz Maria. O filme é mais que um documentário! É uma poesia e tem a participação  especial do carnavalesco Leandro Vieira.

5. Divertida Mente, de Pete Docter, 2015 (Netflix) – essa é uma dica pra assistir com toda a família! Um encanto esse filme. Assisti com meu filho, de 26 anos, estudante de psicologia, durante a quarentena. A história parece simples: uma menina de 11 anos, chamada Riley, muda de cidade junto com seus pais. Os sentimentos da menina são explicados pelas emoções que habitam sua mente. Vale a pena se divertir com essa turma. A gente começa a ver o mundo de forma menos maniqueísta (o mocinho contra o vilão) e passa a entender a importância de cada peça de uma equipe e de cada sentimento que nos habita. 

6. Estou Me Guardando Pra Quando o Carnaval Chegar, de Marcelo Gomes, 2019 (Netflix) – ler pela primeira vez este título, me remeteu à música de mesmo nome do meu amado Chico Buarque de Hollanda e ao burburinho dos barracões na preparação de mais um carnaval. Foi uma surpresa descobrir que se tratava de um documentário do cineasta pernambucano Marcelo Gomes, falando sobre Toritama, uma cidadezinha no agreste de Pernambuco, a Capital do Jeans. Nesta obra, narrada de forma bastante pessoal pelo próprio cineasta (assim como Democracia em Vertigem, de Petra Costa, outro ótimo filme) ele busca recriar uma viagem que fez com seu pai para uma, então, pacata cidade do interior do agreste. Sua surpresa ao encontrar uma cidade agitada, se converte nesse filme maravilhoso, que mostra o cotidiano dos trabalhadores nas pequenas fábricas  de jeans e suas aspirações a empreendedores, suas ilusões e suas esperanças. Uma excelente sugestão de debate para Rita Von Hunty! A música surpreendente de Bach, a vida sofrida e alegre no agreste e o delicioso sotaque pernambucano, dão sonoridade ao filme. E o Carnaval com isso? Assistam! Vale muito a pena. 

7. Dois Papas, de Fernando Meirelles, 2019 (Netflix) – Francisco encanta a todos. É quase uma unanimidade. Sua simplicidade, seu jeito meigo, apesar de firme, sua visão de justiça diante das desigualdades sociais, são muito bem relatadas neste belíssimo filme, do cineasta brasileiro Fernando Meirelles (famoso por Cidade de Deus, documentário que após 10 anos  da sua produção, está disponível na Netflix). Esse filme relata um fictício encontro entre dois papas muito diferentes, Papa Francisco e Papa Bento XVI, e, os debates da igreja católica e as formas de encarar o mundo. Um filme lindo e emocionante. Jonathan Pryce e Anthony Hopkins estão perfeitos. Quando saí do cinema eu disse: “queria colocar o Papa Francisco numa caixinha e levar pra casa.”

Mônica Nilsson

 

  • Mônica Sayuri Tomioka Nilsson é bancária, apaixonada por cinema e pela Mangueira.

Fernanda Oening

Jornalista e produtora. Editora do SambaNews. Paulistana, nascida e criada na Barra Funda, bairro onde conheceu um amor pra vida inteira: Camisa Verde e Branco. Foi passista e destaque da escola por anos. Não dispensa uma boa roda de samba!

Compartilhe com os amigos:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Scroll to Top